Pra sempre meu herói...


O rosto dele continua aqui, sorrindo pra mim e em mim.
Sua voz, que quando ria, oscilava entre tons agudos e falsetes, depois roqueava e descansava na palavra, segue aqui me embalando e me empurrando pra vida, como sempre descansando a palavra no sorriso...

Dele eu herdei o que mais amo fazer na vida: a arte. Foi dele que recebi esse sangue pulsante diante das belezas da vida e essa pele a menos que tenho e que me faz chorar cada vez que vejo seu bom e velho violão ali, hoje quietinho, me esperando respeitosamente, aqui no quarto onde estou...

Dele herdei essas lágrimas que falam mais que qualquer canto...
Nele a música pulsava nos poros e era latente sua vontade de cantar, cantar, cantar... Tão forte que ele não se continha: um dia sem música era um dia sem vida. Então ele cantava pro mundo inteiro ouvir, a plenos pulmões! E quando faltava pulmão ele ia ao sax e conquistava mais ar, mais oxigênio pra sua alma, mais força pros seus passos e mais perdão e misericórdia aos seus erros.

Sim, ele foi um homem imperfeito e docemente equivocado também. Era um ébrio andarilho nas vias do seu próprio coração.
Meu pai foi um homem apaixonado pelas canções e acho que as canções também eram apaixonadas por ele, tanto que eu não conseguia mais separá-lo de sua voz cantada, de seu canto solitário e musical, de seu universo tão próprio.

Meu canarinho...
Nunca vi meu pai sem música.
Lembro-me de meu pai sem muitas coisas, mas nunca sem música: era sua dama inseparável.

Quando alguém novo chegava em sua vida era sempre uma "satisfação": educação impecável e discrição sem limites. Cortez e sereno, observava mais que falava e seus olhos, atrás daquelas lentes espessas e sempre sujinhas, se esbugalhavam buscando de verdade quem era aquela pessoa diante dele.
Morreu enxergando melhor: as coisas, a vida e as pessoas.

Com este homem eu aprendi a ser gente, com ele entendi que simplicidade é uma força poderosa e que discrição é sinônimo de grandiosidade.
Com ele entendi que tudo que amo merece minha dedicação intensa e que a expressão máxima do meu amor é o respeito: meu pai sempre respeitou minhas escolhas e sempre foi comigo, do seu jeito, até onde eu desejava ir. Ele me amou de um jeito único e nada fácil de receber... Hoje vejo que foi por isso que me fiz segura; por isso me reconheço decidida e sem medos assim como sou... Foi a herança que ele me deixou: a coragem!!

Nenhum julgamento ou olhar distorcido sobre minha vida entregue a Deus será capaz de tirar essa dignidade de mim: fui enviada por meu Pai e minha maior herança nesta vida foi esse envio que ele mesmo me deu! "Vai com Deus, minha filha..."
Seu envio ressoa em minha alma e é a ele que serei fiel, com mais força ainda, a partir de agora! Honrarei meu velho Pai com todas as forças que pulsam em meu corpo, levantada pela mão poderosa de Deus e pela força que me visita através das orações de milhares de pessoas, como você que me lê agora!

Era 31 de agosto de 2015 e, logo depois da gravação do DVD Segredos no Theatro Municipal de São Paulo, lá pelas 23h45 ele me liga... Eufórico, feliz, quase ofegante...
"Aaaaahhhh filha... Se eu pudesse escolher, eu morreria agora!!" E ria... Ria...
E eu assustada, perguntei: "Como assim Pai? Por quê?"
E ele rindo, com aquele inesquecível brilho na voz, me respondeu...
"Porque eu acho que não terei alegria maior que essa na vida..."
E eu chorei...

Dia 25 de abril, no Theatro Net em São Paulo, será o show mais importante da minha vida; muito mais que a gravação do DVD... Muito mais que cantar diante de milhões de pessoas, como diante do Papa Francisco; muito mais importante que qualquer dia da minha vida...
Pois será a primeira vez que meu Pai, meu velho Pai me assistirá diretamente do Paraíso, e eu preciso fazer direitinho... Pra ele me ligar de novo... Me dizendo: "Aaaahhhh... Agora sim eu posso descansar, minha filha... Encontrei o melhor lugar da minha vida para estar..."

#meuPai
#AlanJones

Categoria: Blog